exercício físico

27/06/20 Alongamento , Flexiblidade , Meditação , Mindfullness , Saúde mental # , , , , , , ,

Como o treinamento físico aeróbico previne a covid-19

Como o treinamento físico aeróbico previne a covid-19
Estes efeitos do exercício já são bem conhecidos na prevenção de outras doenças como o câncer, transtornos mentais e outras doenças de origem inflamatória, agora este em específico revisou estudos que verificaram a proteção em relação a covid-19. Esta revisão verificou estudos já feitos até agora e mostra que o treino aeróbico parece melhorar a imunidade, a função pulmonar e com já sabido melhora a saúde mental que também interfere no sistema imunológico protegendo contra o coronavírus e reduzindo o risco de casos graves da doença.

Sendo assim, faça exercícios em casa. No mínimo 30 minutos por dia, 4 a 7 vezes por semana e com um programa adequado ao seu condicionamento, restrições físicas e com progressão bem estabelecida de acordo com suas características pessoais.

⁣Siga também no instagram @flexzen_ e curta a página do Flexzen:

Referência:

⁣Ayman AMohamedMotazAlawna. Role of increasing the aerobic capacity on improving the function of immune and respiratory systems in patients with coronavirus (COVID-19): A review. Diabetes & Metabolic Syndrome: Clinical Research & Reviews

Volume 14, Issue 4, July–August 2020, Pages 489-496
3 likes no responses
09/02/18 Esporte , Nutrição , Saúde , Treinamentos # , , , ,

Antidepressivos, peso corporal e o papel da atividade física.

Antidepressivos, peso corporal e o papel da atividade física.

A depressão é uma doença comum em todo o mundo, que afeta mais de 300 milhões de pessoas. A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou um aumento da depressão no mundo em 2017, e o Brasil é o país com maior prevalência na América Latina.¹

É observada mudança no peso em pacientes que fazem uso de medicação psicotrópica, e parece haver uma associação entre sobrepeso, obesidade e transtornos mentais; como a depressão. Há um estudo apontando que a prevalência de obesidade em pessoas tratadas com tais fármacos é de 2 a 5 vezes maior do que na população em geral.² Na maioria das pesquisas mencionadas por um estudo que fez uma análise de outros, o ganho de peso é um dos efeitos colaterais normalmente descritos.³

De maneira geral, este mesmo estudo concluiu que as razões para ganho de peso são multifatoriais, estando ligadas aos sintomas da doença, à melhora dela e aos efeitos colaterais; e parece o ganho de peso estar associado à melhora do apetite ao longo do tratamento. Sabe-se que o hipotálamo é a região no cérebro que controla o apetite e as altas concentrações de serotonina nos núcleos hipotalâmicos mediais, levam a redução do apetite e à preferência por alimentos protéicos. Entretanto, níveis reduzidos deste neurotransmissor nesta área produzem aumento do apetite e preferência por carboidratos.4 Depreende-se a partir de tais informações, que o uso de uma classe específica de antidepressivos, os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), causa redução dos níveis de serotonina em pacientes com transtornos de ansiedade e consequentemente gera maior apetite devido ao fato de ter menos serotonina nos neurônios da região supracitada e aumento da serotonina em pacientes com depressão.

Tendo em vista o problema do peso, sabendo que o exercício aliado a alimentação adequada é uma ferramenta terapêutica para o tratamento tanto da depressão quanto da obesidade, é necessário observar um prática que envolva especialmente treinos aeróbicos, pois a maioria dos estudos em neurociência do exercício verificou efeitos positivos deste tipo de atividade em pacientes com depressão. O exercício de contrarresistência (musculação, treinamento funcional, entre outros) também é participante no processo de controle do peso, uma vez que quando é direcionado para hipertrofia, ele aumenta a taxa metabólica basal, necessitando de mais energia para manter a área de secção transversa local, a fim de evitar a chamada atrofia muscular, que é a perda de massa muscular. A psicoterapia também vai ajudar em casos de compulsão por alimentos.

Um estudo que dividiu em três grupos pacientes com depressão; O primeiro participou de um programa de exercícios, o segundo foi tratado com medicação e o terceiro, com placebo. Quatro meses mais tarde, o grupo que participou do programa de exercícios apresentou melhoras tão efetivas quanto os que foram tratados com medicamentos.5

Sendo assim, conclui-se que o exercício pode elevar as concentrações de triptofano no cérebro, que é o precursor da serotonina, que funciona de forma neuroprotetora contra os efeitos do cortisol que é o hormônio associado ao estresse. O exercício também estimula a neurogênese, que é o crescimento de novas células neurais e reduz o risco de demência. Contudo, o exercício precisa ser bem dosado para não produzir efeitos contrários ao esperado, pois se a dose for maior, essa função construtora do cérebro é reduzida. Também é válido lembrar que em casos graves, como na depressão maior, apenas o exercício por si só não resolve, sendo necessária também a combinação de medicação e psicoterapia.

Referências bibliográficas:

1 – World Health Organization. Depression and Other Common Mental Disorders: Global Health Estimates. Geneva: 2017. Licence: CC BY-NC-SA 3.0 IGO.

2 – Gopalaswamy AK, Morgan R. Too many chronically mentally disabled patients are too fat. Acta Psychiatr Scand. 1985; 72(3):254-8

3 – Helicínia G. E. P.; Ivana A. L. V.; Ana C. M. S.; Marina K. I. Antidepressivos e alterações no peso corporal. Rev. Nutr. vol.21 no.3 Campinas May/June 2008.

4 – Marques CS, Nardi AE, Figueira I, Mendlowicz M, Coscarelli P, Andrade Y, et al. Inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS) e ganho de peso. J Bras Psiq. 1996; 45(2):111-4.

5 – Babyak, Michael PhD; Blumenthal, James A. PhD; Herman, Steve PhD; Khatri; et al. Exercise Treatment for Major Depression: Maintenance of Therapeutic Benefit at 10 Months. Psychosomatic Medicine: September-October 2000 – Volume 62 – Issue 5 – p 633-638.

 

3 likes no responses
29/01/18 Esporte , Saúde , Treinamentos # , , , ,

O que é HIIT?

O que é HIIT?

               HIIT é a sigla em inglês para High Intensity Interval Training, em português, treinamento intervalado de alta intensidade. É uma modalidade de treinamento que propõe alta intensidade e baixo volume, tendo estímulos com curta duração de tempo e intervalos de recuperações limitadas.

É sabido que um estilo de vida sedentário é causador de de diversas doenças, algumas graves como o câncer, devido a obesidade ou ao sobrepeso que são considerados graves problemas de saúde pública no Brasil, junto a alimentação inadequada . Em contraposição, o exercício é co-participante no processo de mudança para um estilo de vida saudável. Porém, devido à falta de tempo muitas pessoas deixam de praticar atividades físicas. Para resolver esta questão com o máximo de eficácia, o Hiit se apresenta como um método onde o praticante investe pouco tempo, com benefícios reais para a saúde. Tanto isso é verdadeiro que  segundo o Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM), este método de treinamento é a tendência mundial do fitness para o ano de 2018 no TOP 20 Worldwide Fitness Trends.

             O treinamento intervalado foi criado, no que na história é chamado de período científico, quando o treinamento desportivo passou a ser prescrito de maneira sistematizada e baseado em evidências por pesquisadores de todo o mundo. O objetivo inicial do treinamento intervalado foi a busca melhor performance dos atletas nas Olimpíadas, o que foi comprovado com os feitos de Emil Zatopek, atleta checo que utilizou o Hiit pela primeira vez. Assim, de maneira empírica, para fins competitivos, o mundo pode ver a eficácia do método, que foi sendo mais estudada e aperfeiçoada por sucessivas pesquisas científicas ao longo das década até hoje.

             Atualmente, o HIIT é utilizado também no fitness, visando fins estéticos para emagrecimento, melhora do condicionamento cardiorrespiratório, neuromuscular, proporcionando uma melhora da saúde física e mental de seus praticantes.

Tendo em vista os problemas de saúde de ordem pública diagnosticados em levantamentos, a escassez de tempo e sabendo do exercício como parte do processo terapêutico na promoção da saúde, prevenção e tratamento de doenças,  segue abaixo alguns dos benefícios do treino HIIT:

– Melhora do consumo de oxigênio;

– Redução da pressão arterial pós-esforço;

– Diminuição dos triglicerídeos e glicose sanguínea.

– Aumento da lipólise no tecido adiposo e muscular;

– Maior ativação da PGC1 – Alfa (esta é uma enzima responsável pela atividade da mitocôndria (reponsável pela respiração celular) e uma de suas funções é o aumento do gasto energético neste estrutura celular.

 

Quer saber como faz? Me chama que eu te ensino  como ter os benefícios do HIIT na porta: casa, trabalho e condomínio. Basta entrar em contato  para saber mais informações:

Contato: (21) 98649-7506

E-mail: personal@davidsoncastro.com.br

 

Referências Bibliográficas:

– MACHADO, A.F. HIIT: Manual prático. 1 ed. São Paulo: Phorte,2016.

-GIBALA,M.J;McGee, S.L. Metabolic Adaptations to Short-Term High intensity Interval Training: A little pain for A lot of gain. Exercise and Sport science Review,v.36,n.2,p.58-63, Apr.2008.

– THOMPSON, W. R., FACSM. WORLDWIDE SURVEY OF FITNESS TRENDS FOR 2018: The CREP Edition. ACSM’s Health & Fitness Journal21(6):10-19, November/December 2017.

1 likes no responses
15/06/17 Esporte , Saúde # , , , ,

O perigo de ser um atleta de fim de semana: Porque é possível fazer uma atividade física do fim de semana e quais os riscos.

O perigo de ser um atleta de fim de semana: Porque é possível fazer uma atividade física do fim de semana e quais os riscos.

É comum nos fins de semana ver pessoas nos parques, nas praças e espaços abertos para o lazer fazendo o seu jogging, caminhada, atividades recreativas ou praticando algum esporte como o futebol. É possível você praticar alguma atividade física apenas nos fins de semana. No entanto, é necessário enfatizar que também é verdade que há riscos de ser um atleta a cada 5 (cinco) ou 6 (seis) dias. Por exemplo, a sua chance de sofrer uma lesão é maior que uma pessoa que pratica mais vezes por semana ou se prepara para fazer algum esporte.

Continue reading

0 likes no responses
09/06/17 Nutrição , Saúde , Treinamentos , Uncategorized # , ,

Emagrecimento: O que fazer?

Emagrecimento: O que fazer?

Emagrecimento, perda de peso ou especificamente perda de massa* gorda é assunto muito importante devido à obesidade ser considerada um dos maiores problemas de saúde pública no mundo segundo a OMS (Organização mundial de saúde), A projeção é de que em 2025, cerca de 2,3 milhões de adultos estejam acima do peso e mais de 700 milhões sejam obesos. No Brasil, um levantamento feito em 2015 pelo IBGE mostrou que quase 60% dos brasileiros estão acima do peso.  Então vou lançar uma pergunta para você: Qual a principal parte do seu corpo que deve emagrecer?  Você deve ter pensado a barriga, ou se é mulher, os meus quadris (popularmente chamado de “culote”).

Muitas pessoas dizem: “Professor, minha alimentação é ótima e faço exercício, mas não consigo perder peso”. Na maior parte dos casos, os clientes enquanto leigos não sabem ao certo o que é uma alimentação ótima e pensam que quanto ao exercício, basta subir numa esteira e sair correndo ou caminhar uma hora. Contudo, não é tão simples assim, e é necessário estabelecer uma dieta e um programa de treinamento adequado para aquela pessoa. Há três fatores que irão influenciar o balanço energético que segue abaixo:

– Superestimar o gasto calórico, subestimar ingestão calórica e Taxa metabólica de repouso:

A pessoa pensa que caminhar de 30 minutos a 1 hora será suficiente para queimar todas as calorias que consumiu, sem levar em consideração o consumo calórico diário que ingeriu por meio das refeições, em especial os alimentos ricos em carboidratos e carregados em açucares, em especial, os refinados que são os piores e causam dependência.

A atividade física leve e moderada não tem um gasto calórico alto, mesmo que seja de longa duração, pois é necessário dar um estímulo cardiometabólico com intensidade forte, a fim de que se tenha um consumo de triaciglireróis alto após o exercício num processo chamado de EPOC (sigla em inglês que significa excesso de consumo de oxigênio pós-exercício). Este processo vai permitir a utilização de ácidos graxos e gliceróis como fonte primária de energia, que vai influenciar na taxa metabólica de repouso, assim; seu organismo vai acelerar mais seu metabolismo para manutenção das funções vitais dos tecidos e células, devido às cargas que estão sendo aplicadas ao seu corpo e isso faz com que passe por um processo chamado de supercompensação. O que faz com que seu corpo se recupere e se prepare para receber uma sobrecarga igual ou mais forte. Nisso, a estruturação do treinamento desportivo usa o princípio da progressão na periodização clássica, para que esses níveis sejam alcançados passo a passo, conforme a metodologia. Além das taxas de triacigliceróis, também são reduzidas com o exercício, as taxas de colesterol e glicose, com uma melhora da resposta da captação da insulina.

– Balanço calórico:

É necessário fazer um balanço calórico negativo controlando a ingestão de alimentos associado ao exercício físico. Não adianta fazer apenas um programa de treinamento e desprezar uma boa dieta, é necessário fazer uma reeducação alimentar, pois a maioria dos estudos mostra que o exercício tem menor impacto no processo de emagrecimento da pessoa, mas a dieta mostra melhores resultados. O exercício vai trabalhar acelerando o metabolismo, utilizando os substratos energéticos, os macronutrientes de acordo com o que ingeriu. Contudo, é preciso comer os alimentos certos e excluir os errados conforme a orientação do nutricionista para que o emagrecimento ocorra de maneira saudável.

Um hamburger duplo de 100 gramas por exemplo, tem 295 calorias e uma fatia de pizza quatro queijos varia entre 350 a 420 calorias, além disso, tem os doces que você gosta de comer, como aquela sobremesa preferida e chocolates. Pega tudo isso mais as refeições. Soma a quantidade calórica no fim do dia e veja quanto ganhou. Será que 30 minutos a 1 hora de exercício vai consumir todo o excesso? Certamente não. Não se trata de nunca mais na vida comer nada disso, é preciso pagar pela sua sobremesa favorita a fim de não ter prejuízos com a saúde. Também, deve-se evitar comer sempre e quando fazê-lo, que seja com moderação.

É necessário que o Profissional de Educação física prescreva exercícios dentro nível de treinabilidade e limites de segurança do praticante, respeitando a individualidade biológica e os demais princípios para otimizar o consumo calórico durante o ciclo de treinamento determinado que pode variar de 4 a 8 semanas dependendo do caso. Uma recomendação que posso dar, além dos exercícios é que caso não possa ir a uma academia neste momento e nem consultar um profissional do exercício para prescrever exercícios corretos, que evite estar no sofá por muito tempo, assistir televisão por muito tempo, o que chama comida.

É bom praticar caminhadas todos os dias da semana ao sair de casa, para fazer qualquer outra coisa como ir ao supermercado, em vez da comodidade dos automóveis. Outra dica interessante é subir escadas, em vez de usar o elevador. A princípio, esta recomendação pode não trazer os resultados do emagrecimento da maneira mais eficaz, mas vai trazer a vantagem psicológica de tirá-lo da uma zona de conforto e tornar sua vida mais ativa até o momento que poderá consultar um profissional e investir mais na sua saúde e qualidade de vida.

Obs(*): Há uma diferença entre emagrecimento e massa gorda, pois o primeiro se refere a perda total de peso cororal e redução da massa gorda é estritamente e perda de peso gordo, isto é, massa gorda. Em uma avaliação funcional da composição corporal é colocado também como redução do percentual de gordura.

0 likes no responses