antidepressivo

09/02/18 Esporte , Nutrição , Saúde , Treinamentos # , , , ,

Antidepressivos, peso corporal e o papel da atividade física.

Antidepressivos, peso corporal e o papel da atividade física.

A depressão é uma doença comum em todo o mundo, que afeta mais de 300 milhões de pessoas. A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou um aumento da depressão no mundo em 2017, e o Brasil é o país com maior prevalência na América Latina.¹

É observada mudança no peso em pacientes que fazem uso de medicação psicotrópica, e parece haver uma associação entre sobrepeso, obesidade e transtornos mentais; como a depressão. Há um estudo apontando que a prevalência de obesidade em pessoas tratadas com tais fármacos é de 2 a 5 vezes maior do que na população em geral.² Na maioria das pesquisas mencionadas por um estudo que fez uma análise de outros, o ganho de peso é um dos efeitos colaterais normalmente descritos.³

De maneira geral, este mesmo estudo concluiu que as razões para ganho de peso são multifatoriais, estando ligadas aos sintomas da doença, à melhora dela e aos efeitos colaterais; e parece o ganho de peso estar associado à melhora do apetite ao longo do tratamento. Sabe-se que o hipotálamo é a região no cérebro que controla o apetite e as altas concentrações de serotonina nos núcleos hipotalâmicos mediais, levam a redução do apetite e à preferência por alimentos protéicos. Entretanto, níveis reduzidos deste neurotransmissor nesta área produzem aumento do apetite e preferência por carboidratos.4 Depreende-se a partir de tais informações, que o uso de uma classe específica de antidepressivos, os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), causa redução dos níveis de serotonina em pacientes com transtornos de ansiedade e consequentemente gera maior apetite devido ao fato de ter menos serotonina nos neurônios da região supracitada e aumento da serotonina em pacientes com depressão.

Tendo em vista o problema do peso, sabendo que o exercício aliado a alimentação adequada é uma ferramenta terapêutica para o tratamento tanto da depressão quanto da obesidade, é necessário observar um prática que envolva especialmente treinos aeróbicos, pois a maioria dos estudos em neurociência do exercício verificou efeitos positivos deste tipo de atividade em pacientes com depressão. O exercício de contrarresistência (musculação, treinamento funcional, entre outros) também é participante no processo de controle do peso, uma vez que quando é direcionado para hipertrofia, ele aumenta a taxa metabólica basal, necessitando de mais energia para manter a área de secção transversa local, a fim de evitar a chamada atrofia muscular, que é a perda de massa muscular. A psicoterapia também vai ajudar em casos de compulsão por alimentos.

Um estudo que dividiu em três grupos pacientes com depressão; O primeiro participou de um programa de exercícios, o segundo foi tratado com medicação e o terceiro, com placebo. Quatro meses mais tarde, o grupo que participou do programa de exercícios apresentou melhoras tão efetivas quanto os que foram tratados com medicamentos.5

Sendo assim, conclui-se que o exercício pode elevar as concentrações de triptofano no cérebro, que é o precursor da serotonina, que funciona de forma neuroprotetora contra os efeitos do cortisol que é o hormônio associado ao estresse. O exercício também estimula a neurogênese, que é o crescimento de novas células neurais e reduz o risco de demência. Contudo, o exercício precisa ser bem dosado para não produzir efeitos contrários ao esperado, pois se a dose for maior, essa função construtora do cérebro é reduzida. Também é válido lembrar que em casos graves, como na depressão maior, apenas o exercício por si só não resolve, sendo necessária também a combinação de medicação e psicoterapia.

Referências bibliográficas:

1 – World Health Organization. Depression and Other Common Mental Disorders: Global Health Estimates. Geneva: 2017. Licence: CC BY-NC-SA 3.0 IGO.

2 – Gopalaswamy AK, Morgan R. Too many chronically mentally disabled patients are too fat. Acta Psychiatr Scand. 1985; 72(3):254-8

3 – Helicínia G. E. P.; Ivana A. L. V.; Ana C. M. S.; Marina K. I. Antidepressivos e alterações no peso corporal. Rev. Nutr. vol.21 no.3 Campinas May/June 2008.

4 – Marques CS, Nardi AE, Figueira I, Mendlowicz M, Coscarelli P, Andrade Y, et al. Inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS) e ganho de peso. J Bras Psiq. 1996; 45(2):111-4.

5 – Babyak, Michael PhD; Blumenthal, James A. PhD; Herman, Steve PhD; Khatri; et al. Exercise Treatment for Major Depression: Maintenance of Therapeutic Benefit at 10 Months. Psychosomatic Medicine: September-October 2000 – Volume 62 – Issue 5 – p 633-638.

 

3 likes no responses