26/05/13 Musculação , Treinamentos # , ,

Eficácia dos exercícios Leg Press, Abdominais, Peck Deck e Supino

Eficácia dos exercícios Leg Press, Abdominais, Peck Deck e Supino

O Site terra publicou esta matéria <clique aqui>  a respeito  de exercícios postos como não eficazes para o treinamento de alguns músculos: Quadríceps, Isquiotibiais, Abdome e Peitoral.  A matéria segue afirmando que tais exercícios não são eficazes no treinamento destes músculos. Eu particularmente uso bastante estes exercícios com meus alunos, nem tudo que está escrito a meu ver vem a ser um absurdo, o problema é a avaliação do público leigo quanto a estes exercícios, portanto, minha recomendação aos leitores é que independente do que leia, sempre consulte o seu Personal Trainer ou Educador Físico especialista em treinamento neuromuscular.

A matéria citação do jornal The Huffinton Post um portal de notícias norte-americano colocando que conforme alguns especialistas, tais atividades não seriam tão eficazes quanto se imagina, mas começo dizendo que tudo irá depender do contexto de treinamento total de cada indivíduo. Por isso, a importância da avaliação e prescrição de um Profissional qualificado na área do exercício.

O exercício no Leg Press por exemplo, podemos levar em consideração  uma desvantagem em relação ao agachamento , pois o segundo permite uma maior variabilidade de estímulos e uma ativação maior de grupos musculares. Por exemplo, nos exercícios com pesos livres temos a presença de algumas valências físicas como coordenação motora e equilíbrio, sendo estes uns dos responsáveis pela adaptação neuromuscular , enquanto que a máquina anula a presença destes importantes fatores psicomoteres. Contudo, se o agachamento que é um exercício que exige precisão técnica, for realizado de maneira inadequada, então o risco se eleva. (STONE et al, 1997) afirmam que os movimentos do cotidiano são realizados com altos graus de liberdade; portanto, os treinos com pesos livres adaptariam o indivíduo de modo mais eficiente para suas atividades do dia-a-dia, além de serem mais facilmente transferidos para modalidades desportivas  A matéria cita que a máquina faz com que você se sinta o “incrível hulk” e em certo ponto isto é verdade, pois os alunos treinados com pesos livres terão maior possibilidade de manipular maiores cargas em máquinas conforme Stone et al (1997). Entrementes, tudo dependerá de todo o contexto de treinamento ou de cada indivíduo. Por exemplo, nem todos poderão executar um agachamento devido a lesões, dificuldades de aprendizgem motora o que torna inviável uma prescrição para adaptação a curto prazo.

No que diz respeito aos abdominais, tudo dependerá do objetivo, a prancha é um exercício bastante utilizado com finalidades terapêuticas e profiláticas, mas não substitui os abdominais definitivamente.  Um estudo feito clássico realizado por Bankoff (1986) mostra que dependendo da angulação em que se trabalham os abdominais eles podem recrutar mais ou menos também os oblíquos.

O Peck Deck não deixa a articulação do ombro em situação vulnerável, a menos que o aluno/paciente já tenha uma predisposição a desenvolver lesões nesta região. Outrossim torna-se arriscado no caso daquele que tem um histórico de lesões na região, neste caso deve-se levar em consideração a individualidade biológica e avaliação profissional quanto a melhor angulação e posicionamento para execução de um exercício. Normalmente, os aparelhos são reguláveis e possuem manoplas que possibilitam posições diferentes podendo-se variar as alavancas.

Por fim, as flexões de braços são excelentes exercícios, mas muitos tem dificuldade para levantar a sobrecarga do seu corpo que em muitos casos já é uma sobrecarga muito elevada, assim, o clássico supino, praticado tanto por iniciantes quanto atletas de alto rendimento é ótima solução, pois permite-nos iniciar um trabalho com sobrecargas adequadas àquelas pessoas. Destarte, tanto o supino quanto a flexão de braços podem ser malévolos dependendo do caso, e esta observação serve para todos os demais citados neste texto. Pois o risco de lesões existe em todos os casos, uma vez que quando fazemos exercícios, seja neuromusculares ou aeróbicos sempre há uma agressão nas estruturas anatômicas. Logo, termino com a palavra inicial, consulte seu Personal trainer ou Educador Físico de sua academia para que ele prescreva o treinamento mais seguro e eficaz para você, de acordo com suas peculiaridades e nível de condicionamento físico.

Referências Bibliográficas:

STONE M.H, BORDEN R.A. Modes and Methods of resistence training. Strenght and conditioning. Agosto, p.18-24, 1997.

BANKOFF, A.D.P.; FURLANI, J. Estudo Eletromiográfico dos Músculos Reto-Abdominal e
Oblíquo Externo Em Diversos Exercícios, na Posição de Decúbito Dorsal. Revista Brasileira

de Ciências do Esporte, v.7, n.2, p.69-74, 1986

0 likes no responses
15/05/13 Saúde # ,

PRINCIPAIS CAUSAS E FATORES DE RISCO DO AVC

Por que acontecem os acidentes vasculares cerebrais? Qual a causa da obstrução ou rutura de um vaso cerebral?
Existem alterações nos vasos sanguíneos que vão se instalando ao longo dos anos. Muitas vezes, é necessário muito tempo para que elas deixem as artérias enfraquecidas, com risco de rutura no caso de acidentes hemorrágicos, ou de entupimento nos acidentes isquêmicos. As razões pelas quais essas artérias vão ficando doentes são diversas e variam de pessoa para pessoa.

AVC em crianças é raro; em pessoas de mais idade, muito frequente. Quais são os principais fatores de risco para o derrame cerebral?
Existem fatores de risco que poderíamos chamar de não modificáveis. Por exemplo, a idade e a genética. Não dá para modificar as características genéticas nem fazer uma contagem regressiva nos anos de vida. Com o passar das décadas, infelizmente, aumenta o risco de desenvolver acidentes vasculares cerebrais.
No entanto, há fatores de risco modificáveis. Entre eles destaca-se a hipertensão arterial, principal causa dos acidentes vasculares cerebrais tanto isquêmicos, quanto hemorrágicos. Diabetes e as dislipidemias (alterações dos níveis de colesterol e de triglicérides) são também fatores de risco importantes, especialmente para as isquemias.
Tabagismo, vida sedentária, obesidade e várias doenças cardíacas (problemas do ritmo cardíaco, das válvulas do coração ou infarto do miocárdio) estão entre os fatores que podem ser tratados a fim de prevenir a ocorrência de AVC.

Pessoas com parentes próximos que tiveram acidentes vasculares cerebrais apresentam maior risco de desenvolver a doença?
Isso depende da causa que levou o parente a ter AVC. Se na família existe predisposição genética para a doença, a probabilidade é maior, o que não acontece se a doença foi causada por fatores de risco que poderiam ter sido modificados e não foram.

Entre todos os fatores de risco que você citou, quais estão mais relacionados com a ocorrência de AVC?
A hipertensão arterial é o principal fator de risco. A seguir, vêm o diabetes, as doenças cardíacas e o tabagismo.

Você disse que a hipertensão arterial pode provocar tanto acidentes isquêmicos quanto hemorrágicos. Que alterações ela produz nas artérias do cérebro?
A hipertensão arterial provoca alterações nas paredes das artérias que não são necessariamente do mesmo tipo. No caso da isquemia, a longo prazo, ocorre o processo de aterosclerose, ou seja, a deposição de gordura e cálcio na parede do vaso que vai endurecendo lentamente. Desse modo, as placas de aterosclerose vão estreitando a luz do vaso por onde o sangue corre até gerar uma trombose, isto é, o sangue coagula dentro do vaso e interrompe a circulação sanguínea. Portanto, a hipertensão arterial é fator de risco para a aterosclerose, que é fator de risco para o AVC isquêmico.
Nos acidentes hemorrágicos, a hipertensão arterial é responsável pela fragilidade de alguns pequenos vasos dentro do cérebro que, com o decorrer do tempo, podem romper-se e provocar sangramento comprometendo a região em que se localizam.

Fonte: https://www.facebook.com/anjosde.branco.1

          Informações básicas e precisas para o público em geral. É possível também retardar o aparecimento da hipertensão arterial sistêmica (HAS) que em sua forma adquirida normalmente é causada pelos fatores citados como tabagismo, sedentarismo, obesidade e tratamento de outras patologias cardiovasculares. O que pode causar hipertensão também é a deficiência na saúde do sono e pode culminar em um AVE também. 

         Por isso mesmo as doenças podem ser genéticas ou adquiridas, a primeira não podemos impedir seu surgimento, mas a segunda o corpo muitas vezes leva anos para adquirir, ou seja, o corpo precisa ser agredido por anos para desenvolver algumas doenças. Por isso, normalmente a partir dos 30 anos ficamos doente com mais facilidade e conforme vamos envelhecendo a coisa tende a piorar. 

O ideal é cuidar da saúde desde a juventude, pois tudo que fazemos na juventude pagamos na velhice. 

Juventude saudável, envelhecimento saudável. Não é uma máxima, mas uma probabilidade alta.

0 likes no responses